<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d17770050\x26blogName\x3dEu+n%C3%A3o+sou+daqui\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://eu-nao-sou-daqui.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://eu-nao-sou-daqui.blogspot.com/\x26vt\x3d-6023585365513576224', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Eu não sou daqui

Porque Ourém está mesmo ali ao lado

27 setembro, 2009

Nota sobre os resultados da eleição para a assembleia da república, iii


Confrontando o resultado da eleição legislativa apurado hoje com o resultado da eleição correspondente de 2005, enquanto em termos nacionais o psd reforçou ligeiramente o seu score eleitoral, em Ourém o psd viu diminuir bastante o valor referente a esse parâmetro. Ou seja, enquanto cresceu ligeiramente a nível nacional, o psd descresceu significativamente em Ourém. A situação inversa observou-se para o caso do ps. Este partido político, ao mesmo tempo que teve uma quebra acentuada na votação respectiva no conjunto nacional, teve uma diminuição ligeira do score eleitoral em Ourém.

Taxa de variação da massa e dos scores eleitorais para a assembleia da república (2005-2009)

-----Portugal----------Ourém-----
Massa eleitoral
Inscritos+ 0.006,3%+ 0.016,4%
Votantes- 0.001,0%+ 0.003,3%
Scores eleitorais
Votos brancos- 0.003,3%- 0.003,2%
Votos nulos+ 0.008,3%- 0.016,2%
BE+ 0.054,4%+ 0.071,8%
CDS+ 0.044,1%+ 0.021,8%
CDU+ 0.004,2%+ 0.046,3%
PS- 0.018,9%- 0.003,8%
PSD+ 0.001,4%- 0.010,1%

Referência

07 junho, 2009

Nota sobre os resultados da eleição para o parlamento europeu, iii


Perspectivando o resultado da eleição para o parlamento europeu em tendência e comparando a dinâmica eleitoral na escala nacional e na escala municipal, observa-se algo que, considerando as performances anteriores do psd na generalidade dos sufrágios, não seria expectável. Confrontando o resultado apurado hoje com o resultado da eleição de 1999 - note-se que em 2004 o psd concorreu coligado com o cds-pp, facto que, em relação a estes dois partidos políticos, não permite uma análise diacrónica semelhante à das restantes forças políticas consideradas, obrigando a consideração de um intervalo temporal mais alargado -, enquanto em termos nacionais o psd reforçou ligeiramente tanto a sua massa eleitoral quanto o score que essa mesma massa representa, em Ourém o psd viu diminuir o valor referente a esses dois parâmetros, tendo obtido menos votos agora do que há dez anos atrás, o que teve reflexo significativo na percentagem de votos que arrecadou. Ou seja, do que é histórico, até à data presente, em eleições não autárquicas, o psd sempre cresceu mais ou decresceu menos em Ourém do que no conjunto nacional. Hoje tal facto não se verificou.

Taxa de variação da massa e dos scores eleitorais para o parlamento europeu
(1999-2009)

-----Portugal----------Ourém-----
Massa eleitoral
Inscritos+ 0.012,7%+ 0.023,1%
Votantes+ 0.002,7%+ 0.005,5%
Scores eleitorais
Votos brancos+ 0.153,0%+ 0.255,5%
Votos nulos+ 0.037,9%+ 0.100,7%
BE+ 0.499,4%+ 1.041,8%
CDS+ 0.002,6%+ 0.001,5%
CDU+ 0.003,3%+ 0.000,3%
PS- 0.038,3%- 0.038,9%
PSD+ 0.001,9%- 0.009,8%

Referência


Nota sobre os resultados da eleição para o parlamento europeu, ii


Comparando em plano o que aconteceu na eleição para o parlamento europeu na escala nacional e na escala municipal - e considerando apenas as cinco forças políticas que lograram representação em Strasbourg -, verifica-se que em Ourém os scores eleitorais do psd e do cds-pp são maiores do que aqueles que os mesmos partidos políticos obtiveram a nível nacional - no caso do psd a diferença é grande, próxima dos 20 pontos percentuais -, enquanto que os scores eleitorais conseguidos em Ourém pelo be, pela cdu e pelo ps são inferiores aos que essas mesmas forças políticas conseguiram a nível nacional. Por exemplo, no caso do ps, a força política que obteve o segundo maior número de votos tanto local quanto nacionalmente, o score eleitoral obtido em Ourém é pouco mais de metade do que o score eleitoral que o mesmo partido político obteve no apuramento nacional global.

Relação de grandeza dos resultados da eleição para o parlamento europeu em Ourém e em Portugal,
em 2009

Votos em branco-----1,19
Votos nulos1,39
BE0,59
CDS1,45
CDU0,28
MEP1,33
MMS1,07
MPT0,92
PCTP/MRPP0,56
PH1,02
PNR0,68
POUS0,12
PPM0,90
PS0,55
PSD1,60

O índice neste quadro corresponde à razão entre os resultados da eleição para o parlamento europeu registados em Ourém e em Portugal. O que significa que o valor apresentado traduz a relação de proporção entre o score eleitoral de determinada força política obtido localmente e o score eleitoral dessa mesma força política obtido nacionalmente. Ou seja: se o índice for igual a 1,00, os scores eleitorais conseguidos em Ourém e em Portugal são iguais; se for inferior a 1,00, o score eleitoral conseguido em Ourém é menor do que o score eleitoral conseguido em Portugal; se for superior a 1,00, o score eleitoral conseguido em Ourém é maior do que o score eleitoral conseguido em Portugal. Do que resulta que, sempre que diferente de 1,00, o valor do índice é a medida da inferioridade ou da superioridade, em termos proporcionais, do score eleitoral registado no caso de Ourém, tendo por referência o score eleitoral registado no conjunto nacional.

Referência


Nota sobre os resultados da eleição para o parlamento europeu, i


Em plano, no confronto imediato entre as forças políticas inscritas no boletim de voto, o resultado da eleição para o parlamento europeu acontecido em Ourém não é surpreendente. Vitória destacada do psd, que recolheu 50,7% dos votos, scores eleitorais fracos da concorrência, todos inferiores a 15%. Refira-se ainda que, do universo de concorrentes, apenas quatro forças políticas - psd, ps, cds e be - conseguiram uma quantidade de votos superior ao número de votos brancos (correspondente a 5,5% dos votantes).

Resultados da eleição para o parlamento europeu em Ourém

---1987------1989------1994------1999------2004------2009---
Inscritos32.75334.06835.68136.15337.42044.695
Votantes24.864 (75,9%)17.567 (51,6%)12.613 (35,3%)15.422 (42,7%)14.465 (38,7%)16.273 (36,6%)
0
Brancos01,001,101,601,603,205,5
Nulos01,601,801,701,401,902,8
0
BE---00,602,306,3
CDS26,020,915,711,8-12,0
CDU01,101,802,702,903,703,0
FER-00,2----
MD----00,5-
MDP/CDE00,200,7----
MEP-----02,0
MMS-----00,6
MPT--00,200,300,300,6
MUT--00,1---
PC(R)00,1-----
PCTP/MRPP00,100,200,300,500,600,7
PDA--00,400,200,3-
PDC01,001,0----
PH----00,500,5
PND----01,1-
PNR----00,300,3
POUS-00,1-00,100,100,1
PPM01,601,000,200,300,400,4
PRD00,9-00,1---
PS09,212,214,424,121,114,7
PSD56,658,261,556,2-50,7
PSD+CDS----063,6-
PSN--00,300,3--
PSR00,200,500,4---
PXXI--00,3---
UDP00,200,400,3---
Fonte: STAPE (até 2004) e CNE (para 2009)

Referência

11 fevereiro, 2007

Nota sobre os resultados do referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez, ii


Como é possível atestar, o «não» venceu em Ourém, com vantagem significativa, embora menor do que a verificada em 1998. Grosso modo, em termos de tendência, pode dizer-se que aconteceu em Ourém o que aconteceu em Portugal: maior participação eleitoral em 2007 do que em 1998 e, entre essas mesmas datas, crescimento bastante mais acentuado do número de votos «sim» do que do número de votos «não».

Taxa de variação (1998-2007)

-----Portugal----------Ourém-----
Inscritos+ 006,7%+ 007,6%
Votantes+ 045,7%+ 054,1%
Não+ 015,5%+ 028,8%
Sim+ 076,8%+ 137,3%

| Referência


Nota sobre os resultados do referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez, i


Resultados do referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez

PortugalOurém
1998200719982007
Inscritos8.280.5918.832.62835.59938.309
Votantes2.642.6893.851.61311.97518.459
Abstenção68,1%56,4%66,4%51,8%
Votos brancos01,1%01,3%01,2%01,6%
Votos nulos00,6%00,7%00,7%01,0%
0000
Não1.333.022 (51,30%)1.539.078 (40,75%)9.146 (77,81%)11.784 (65,56%)
Sim1.265.520 (48,70%)2.238.053 (59,25%)2.609 (22,19%)06.191 (34,44%)

Fonte: Stape (aqui, para Portugal, e aqui, para Ourém).

| Referência

16 janeiro, 2007

Escolha


No referendo do próximo dia 11 de Fevereiro votarei «sim». Sem certezas, a começar pelo significado da pergunta formulada e proposta a sufrágio. Mas sob a tutela de Dworkin, que tento em leituras, assim como sob a escala de Vera Drake, que conheci no cinema. Neste sentido, votarei «sim» provavelmente por fundamentos que não justificam proclamação. Todavia, reconheço, são esses fundamentos que escoram a minha posição e que, no essencial, condensam-se no propósito de conceder a alguém, em pessoa, a responsabilidade de uma escolha grave sobre algo que directamente, embora não absoluta ou exclusivamente, lhe respeita. Entendo que tanto a abstenção quanto o voto «não» não eliminam essa hipótese de escolha. Apenas oneram - isto é, continuarão a onerar -, em termos de sofrimento e de juízo, determinada escolha. Também entendo que o voto «sim» não tanto facilitará uma determinada escolha quanto permitirá que, qualquer que seja a escolha, seja feita em condições que admito e considero mais decentes. É que, suspeito, enquanto grei somos mais justos quando capazes de conviver com escolhas, escolhas graves incluídas. Este é um dos meus desassossegos.

Referência

11 novembro, 2006


Extracto da acta do Capítulo das Confissões, datada do dia de São Martinho de doismileseis


Os monstros são onde somos e às horas que somos. Adiante.
Embora constantino corbain seja uma criatura incapaz de lavrar agradecimentos, cumpre reconhecer e enunciar as pessoas que, por algo - mais do que as palavras condensam e permitem exprimir -, contribuíram para a edição de um caderno de cordel com o título apontamentos para monstroário. Quem são essas pessoas? Várias, uma por parágrafo, são:
o André Simões, ilustre timoneiro, quase cowboy solitário, dessa causa (que deve ser comum) chamada Auren - Associação Cultural;
o Rui Melo, que permitiu a rádio actividade da Auren - Associação Cultural, muitas vezes quase em registo de oração bravia, na frequência da ABC Rádio e, para além disso, emprestou recursos da Tipografia Ouriense para concretizar e materializar o tal caderno de cordel;
o Sérgio Ribeiro - e, através dele, a Som da Tinta -, que acolheu a proposta e lavrou o imprimatur para a edição em papel dos referidos apontamentos;
o Filipe Saraiva, autor das ilustrações da monstruosidade e da amizade que iluminam e valem mais do que o raio de todos os apontamentos juntos;
o Nuno Abreu, autor da puta fotografia Auren, retrato do lugar e do tempo que, sabe-se, vigiam os monstros de quem sofre o constantino corbain.
Sem a culpa destes cinco, embora havendo o desgraçado constantino corbain, evoé!, não haveria apontamentos para monstroário como há. Há, pois, quem lhes esteja grato. E por ser verdade se ordenaram estas palavras em acta confessional.

imagem © José Malhoa (Os Bêbados ou Festejando o São Martinho)

| Referência

28 setembro, 2006

Porque às vezes o que se escreve para html é estampado em papel



AA. VV., Frases para Ter na Carteira, Lisboa, Editora Livramento, 2006.

Referência

13 julho, 2006

Se não se chamarem Deolinda, os monstros...








Hoje é dia de parição de monstros. Parição em papel impresso, escuro, mascavado, sob chancela e sob cobertura parda. E são assim paridos para que o seu efeito de contágio, lasciate ogne speranza, voi ch’intrate*, se propague pelas mãos. Falta-lhes ainda o cordel - os monstros, estes, têm cordel. Mas não é falta que lhes demore. Amanhã, com o cordel, estarão consumados. À noite começarão a ser soltos.

* nono verso do canto terceiro de Divina Commedia, de Dante.

ilustração © Filipe Saraiva

Referência

2005/2010 © Sérgio Faria